27/12/2016

27-12-1722 o Sismo que Destruiu o Algarve

33 anos antes do grande sismo de 1755, tinha ocorrido um sismo muito mais avassalador para a região. 

Face à devastação, os documentos dos estragos, feridos e mortos foram enviados para Lisboa nos anos seguintes tendo sido destruídos pelo fogo dos incêndios provenientes do sismo de 1755, 33 anos depois.

Em termos de estragos registados o sismo de 1722 descreve um maior e mais dantesco registo de cidades severamente afetadas.

Tendo durado «pouco mais que o tempo de uma Avé Maria», os abalos foram tão fortes que fizeram badalar os sinos sozinhos em Tavira, Faro e Loulé.

O grau de intensidade de destruição está atualmente avaliado como de grau IX da escala de Mercalli:

Pânico geral, muitos edifícios colapsados, destruídos ou grandemente danificados, danos gerais nas fundações, fraturas importantes no solo, formação de nascentes e ejeções de lamas em terrenos de aluviões de granulometria fina…

Estudos mais recentes não são unânimes na estimativa sobre o local do epicentro.

Há quem opine que terá sido no mar, mas as hipóteses com mais reconhecimento oficial apontam para uma zona sensivelmente onde eu fiz a foto que ilustra este post: a noroeste de Tavira.

Provavelmente, o sismo de 1722 foi provocado por um fenómeno de diapirismo (a ascensão tectónica de rochas pouco densas sob elevada pressão).

O certo é que na sequência da propagação das poderosas ondas sísmicas (uns 7,8 graus na escala de Richter) a vila de Loulé ficou praticamente destruída.

Estudos recentes de risco sísmico e zonamento de danos potenciais apontam para um panorama de 12 mil mortos se um sismo igual ao de 1722 ocorresse agora.




FIRESHELTER52

Sem comentários: